Post Top Ad

Radio Web São Sebastião

PUBLICIDADE

quarta-feira, 1 de maio de 2019

Que vergonha para o nosso PAIS; Rio tem um estupro a cada duas horas; 70% das vítimas são menores de idade

Informações estão no Dossiê Mulher, divulgado pelo ISP

Estudo do ISP revela que, a cada cinco dias, uma mulher é vítima de feminicídio no estado -
Rio - Números do Instituto de Segurança Pública (ISP) do Rio revelam que 4.543 mulheres foram vítimas de estupro no ano passado no Estado, das quais 70% eram menores de idade. 

Os dados indicam que o Rio registra, em média, um estupro a cada duas horas.
As informações estão no Dossiê Mulher, divulgado pelo instituto na manhã desta terça-feira, e são referentes às ocorrências de 2018.

 De acordo com o documento, as vítimas com até 29 anos compõem 83,7% das vítimas de estupro, 63,6% das tentativas de estupro e 67,7% do somatório das vítimas de assédio sexual. 

O dossiê mostra ainda que, no ano passado, 71 mulheres foram vítimas de feminicídio. Foram registradas também 288 tentativas de feminicídio. Segundo o levantamento, 62% dos crimes ocorrem dentro da casa das vítimas e 56% dos autores são companheiros ou ex-companheiros delas.

O documento mostra que em 2018 foram 350 casos de homicídio doloso, sendo que 120 vítimas foram mortas dentro de suas casas. Por dia, pelo menos 116 mulheres são vítimas de algum tipo de violência física no Estado, totalizando 42.423 vítimas em 2018.

As maiores vítimas continuam sendo as mulheres negras. Elas são 59% do total, contra 33% de brancas.
"Nós estamos com as delegacias de atendimento às mulheres, com as Deams, nós temos a Secretaria de Desenvolvimento Social e de Direitos Humanos.

 Nós estamos aprimorando nossos mecanismos para poder receber essas mulheres nas delegacias para que elas façam as denúncias, estamos trabalhando dentro das limitações que nós recebemos do estado, mas com atenção especial", comentou o governador Wilson Witzel nesta manhã. 

"Qualquer mulher que se sinta ameaçada pode procurar a Defensoria Pública, o Ministério Público, a Delegacia de Atendimento à Mulher, pode usar o Disque Denúncia, o 190, para poder fazer essa denúncia e imediatamente um agente do estado vai entrar em ação para proteger essa mulher. Ela não pode deixar de denunciar.

 E, se denunciar, será atendida, será bem tratada e nós vamos agir com rigor. Há, no congresso nacional, uma proposta para que a própria delegada, ou delegado, tenha condições de aplicar uma medida de afastamento do lar, por exemplo, uma medida cautelar", completou o Witzel. 
Fonte O Dia

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Translator