Post Top Ad

Radio Web São Sebastião

PUBLICIDADE

sexta-feira, 31 de agosto de 2018

Jovens entram para o tráfico cada vez mais cedo, diz ONG


Pesquisa aponta que o percentual dos que disseram ter entrado no crime com até 12 anos de idade passou de 6,5%, no levantamento realizado de 2004 a 2006, para 13%, em 2017

 Percentual dos que entraram no crime com até 12 anos passou de 6,5% (em 2004 a 2006) para 13% (em 2017) - Rio -  Uma pesquisa realizada pela ONG Observatório de Favelas, com sede na Maré, mostrou mudanças no perfil do jovem que atua no tráfico do Rio. Em uma década, a entrada no crime passou a ser mais precoce. 

 

O percentual dos que disseram ter entrado no crime com até 12 anos de idade passou de 6,5%, no levantamento realizado de 2004 a 2006, para 13%, em 2017.

 

A pesquisa também mostrou dados sobre a religiosidade dos 'trabalhadores' do comércio de drogas. Desde o último estudo da ONG, o percentual dos entrevistados declarados evangélicos saltou de 17% para 31,1%, no ano passado.

 Já a fatia dos que dizem ser católicos caiu de 39,1% para 11,1%.
A pesquisa da organização ouviu 261 jovens e adolescentes, sendo 150 ativos no varejo de drogas do Rio e 111 adolescentes detidos no Departamento Geral de Ações Socioeducativas (Degase). A maior parte dos ouvidos (62,8%) tinha entre 16 e 24 anos e se identificava como preta e parda (72%). 

As mães foram majoritariamente citadas como responsáveis pela criação dos entrevistados (50,2%), e 62% disseram que a motivação para a entrada no crime foi o auxílio à família.

Além dos envolvidos no tráfico, três policiais militares e sete especialistas em saúde responderam a dois questionários específicos para cada grupo, respectivamente. 

A intenção da inclusão desses profissionais na pesquisa é traçar "uma análise qualitativa sobre o quadro de Segurança Pública e política de combate às drogas, com enfoque na área da saúde", afirma a diretora do Observatório de Favelas, Raquel Willadino.

Segundo a responsável pela instituição, o objetivo geral da pesquisa consiste em atualizar os dois últimos estudos feitos sobre a temática, o primeiro em 2001 e o segundo entre 2004 e 2006, e contribuir para "romper com os estigmas que estão vinculados aos jovens envolvidos com o tráfico de drogas", explica Willadino.

"O que a gente pretende é oferecer subsídios para a construção de políticas e ações públicas que visem a superação da lógica da guerra às drogas, a fim de garantir o direito à Segurança Pública", conclui Willadino.

Instituições de ensino mais atrativas x convite ao tráfico
Ao cruzar os dados da pesquisa, as instituições de ensino passam a ser avaliadas como ponto-chave da transferência ou não desses jovens para os pontos de venda de drogas nas favelas do Rio de Janeiro.

 Segundo o estudo, 78% dos entrevistados, entre ativos no varejo e detidos no Degase, abandonaram a escola entre o 5º e o 7º ano do ensino fundamental, ou seja, na faixa etária de 13 a 15 anos de idade.

Segundo Willadino, isso "aponta para a necessidade de aplicar estratégias de prevenção no que tange a melhoria das instituições de ensino". Uma vez que, nesse contexto, a escola deve assumir a posição de rival do tráfico no conflito de interesses inerente a mente de um jovem morador de favela.

Associação do ingresso ao tráfico com a falta de oportunidade de emprego questionada
A tese de que a oferta perene de funcionários do tráfico está ligada à baixa oportunidade de emprego é refutada pelo seguinte índice: 66% dos entrevistados tiveram experiências de trabalho.

"Esse dado revela que não se trata apenas de ter ou não uma oportunidade de trabalho, mas qual a oportunidade que esse jovem tem. Normalmente são opções defasadas, precárias, que não dão a mesma expectativa de crescimento a curto prazo que o tráfico oferece", afirma Willadino.

Após o auxílio à família, em primeiro lugar com 62,1%, a intenção de "ganhar muito dinheiro" vem logo em seguida, com 47,5% das respostas, o que caracteriza a demanda pela aquisição de bens de consumo, de acordo com a diretora da ONG.

Saída voluntária do tráfico se manteve após mais de uma década
O percentual dos jovens que, em algum momento, deixaram o tráfico voluntariamente permaneceu o mesmo entre 2006 e 2017. Ambas pesquisas contabilizaram 40% dos entrevistados nesse quesito.


Para Willadino, esse índice merece muita atenção, pois representa a manutenção da intenção de saída do modus operandi do crime organizado baseado no livre arbítrio. No entanto, na maioria das vezes, esse grupo não é assistido da melhor forma pelas instituições públicas.


A diretora destaca que se houvesse um plano de políticas públicas que acolhesse esse nicho, a força do tráfico de drogas perderia cada vez mais força, à medida que as gerações se renovassem. "É preciso existir estratégias de prevenção ao ingresso (ao tráfico), mas também construção de novas trajetórias, alternativas para geração de trabalho e renda para os que querem sair desse meio", explica Willadino.

Outros índices relevantes da pesquisa:
- 68,8% têm de 16 a 24 anos
- 72% são negros ou pardos
- 50,2% citam as mães como responsável pela criação
- 70,2% assumem relacionamentos estáveis (37% casamento/33% namoro)
- 21,1% têm irmãos envolvidos no tráfico (11,7% em 2006)
 - 40% acreditam em Deus mas não tem religião

Fonte O Dia 
Por *Felipe Rebouças 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Translator